fbpx

Linkar: ENH certifica mais empresas para indústria do Petróleo

0
295

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), através do projecto Linkar capacitou em Vilankulo cerca de 21 empresas, que operam em diversos ramos de actividade, em matéria de legalização bem como efectuo a atribuição de respectivos alvarás, avança o diário “Notícias”, de quarta-feira, 26/06.

O “Notícias” refere que a iniciativa que conta com a parceria do Governo e do sector visa oferecer capacitação, assistência técnica e apoio institucional ao empresariado moçambicano, em particular às PMEs, para a sua certificação e padronização dos seus processos, bem como facilitar a identificação de oportunidades de ligações empresariais e na celebração de contratos para a prestação de serviços na indústria de petróleo e gás.

Para o Coordenador do Projecto Linkar, Ken McGhee, o objectivo dessas capacitações é tornar as Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) mais competitivas e com capacidade para fornecer bens e serviços na indústria petrolífera do país, incluindo a cadeia de valor do sector extractivo.

Entretanto, Ken McGhee destacou que o projecto contempla igualmente a identificação de oportunidades, servindo como ligações empresariais entre multinacionais e as MPMEs para firmação de contratos de prestação de serviços.

“O grande desafio deste projecto é fazer com que mais de 30 empresas da província de Inhambane assim como de Cabo Delgado consigam ganhar contratos no sector de petróleo e gás” , sublinhou

De realçar que, na província de Inhambane, o programa Linkar tem como meta capacitar mais de 60 empresas dos distritos abrangidos pelo projecto de exploração de gás natural concretamente nos distritos de Vilankulo, Inhassoro e Govuro.

Na mesma abordagem, o Coordenador avançou que outra grande valia deste projecto é promover a padronização e certificação das PMEs para atribuição de certificados ISO, de modo a assegurar que os bens e serviços prestados por estas empresas tenham como base requisitos e normas estabelecidas no padrão internacional.

Para o representante do administrador de Vilankulo, Silvestre Romano, o facto do distrito ser a ponta de entrada a nível da província de Inhambane demonstra as preocupações do empresariado local na busca de soluções para que possam crescer e participar de forma activa nos megaprojectos existentes em Moçambique, principalmente os provenientes da exploração de gás de Temane.

“Uma das formas de promover o desenvolvimento é termos as nossas empresas capacitadas para responder às exigências do mercado, como Governo louvamos estas iniciativas, porque para além de fortificar as nossas PMEs geram mais postos de empregos para a juventude”, disse

No entanto, apesar de melhorias, o Conselho Empresarial local, ainda ressente-se da fraca participação das empresas no projecto de exploração de gás natural em curso na província de Inhambane, tendo apontado a falta de qualificação e certificação como principais entraves.

“O número das empresas que prestam serviços nestes projectos ainda continua a não ser satisfatório e esperamos que o Linkar venha facilitar a participação de mais empresas locais nos megaprojectos, uma vez que, grande parte dos problemas está a ser ultrapassada”. Explicou

Vale ressaltar que o Programa Linkar, uma iniciativa implementada pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) e financiada pelo Banco Africano de Desenvolvimento, através de fundos fiduciários da Affirmative Finance Action for Women in Africa e Fund for African Private Sector Assistance (AFAWA e FAPA) já certificou mais de 50 Pequenas e Médias Empresas (PMEs), oriundas das províncias de Cabo Delgado, Sofala, Inhambane, Maputo Província e Cidade, para participação em projectos de petróleo e gás.

SUBSCREVA O.ECONÓMICO REPORT
Aceito que a minha informação pessoal seja transferida para MailChimp ( mais informação )
Subscreva O.Económico Report e fique a par do essencial e relevante sobre a dinâmica da economia e das empresas em Moçambique
Não gostamos de spam. O seu endereço de correio electrónico não será vendido ou partilhado com mais ninguém.

Comentários