fbpx

Moçambique pagou 130 milhões de dólares a bancos e fundos após acordo extra-judicial sobre dívida – AIM

0
234

Moçambique pagou 130 milhões de dólares norte-americanos a instituições financeiras no âmbito do acordo extra-judicial com o Credit Suisse para terminar uma disputa judicial no Tribunal Comercial de Londres sobre o caso das “dívidas ocultas”, revela a Agência de Informacao de Moçambique – AIM

A AIM refere que, de acordo com documentos apresentados sexta-feira (20) em tribunal, Moçambique pagou valores entre um milhão de dólares e 38,2 milhões de dólares a oito instituições. Estas instituições incluem o Banco Internacional de Moçambique (BIM), Banco Comercial e de Investimentos (BCI), Moza Banco, United Bank for Africa, Atlantic Forfaitierungs e os fundos de investimento VR Global Partners, Farallon Capital e ICE Canyon.

Tornado público no dia 01 de Outubro, véspera do início do julgamento a decorrer na justiça britânica, o acordo tem como principais subscritores o Governo moçambicano e o grupo UBS, dono do banco Credit Suisse, principal financiador da empresa estatal Proindicus para comprar navios e equipamento de vigilância marítima em 2013.

O chamado Acordo de Transacção celebrado entre a República de Moçambique, a empresa estatal Proindicus, o Credit Suisse e outros litigantes foi aprovado por resolução do Conselho de Ministros em 06 de Junho, mas só oficializado no Suplemento do Boletim da República datado de 14 de Setembro.

‘O Acordo de Transacção tem como objecto a resolução global e definitiva do litígio entre as partes referidas no artigo anterior e a renúncia total e recíproca das suas reivindicações, no litígio, para o caso das partes litigantes, e fora dele, para o caso das partes não litigantes, quanto às responsabilidades no financiamento à Proindicus”, refere a publicação, citada pela Lusa.

Na terça-feira, o advogado que representa a Procuradoria-Geral da República (PGR) moçambicana, Joe Smouha, indicou que o Credit Suisse renunciou a uma dívida pendente de cerca de 450 milhões de dólares, mas que não pagaria qualquer compensação a Moçambique.

Os pagamentos previstos pelo acordo extra-judicial às restantes instituições financeiras que entraram no empréstimo sindicado da Prodindicus ou tinham interesses no negócio variaram em termos de proporção conforme o estatuto de litigantes ou não.

Por exemplo, o BIM participou com 61,2 milhões de dólares, mas recebeu 38.188.800 de dólares, enquanto o UBA contribuiu com 35 milhões de dólares, mas recebeu 21,84 milhões de dólares.

Ambos eram parte em acções interpostas contra Moçambique por falta de pagamento das dívidas e receberam com um desconto de 37,6 por cento ao investimento inicial.

De fora do acordo extra-judicial ficaram o banco VTB, que esteve envolvido no financiamento à Proindicus, e o banco português BCP, que só participou no empréstimo à empresa MAM.

O julgamento em curso é o culminar de quase quatro anos de litígio na justiça britânica, à qual Moçambique recorreu alegando corrupção, conspiração para lesar por meios ilícitos e assistência desonesta para anular dívidas e reclamar compensação financeira no valor de milhões de dólares.

Moçambique exige 3,1 mil milhões de dólares por danos, compensação e indemnização ao grupo naval Privinvest e ao proprietário, Iskandar Safa, os quais acusa de pagar subornos a funcionários públicos, incluindo o antigo ministro das Finanças Manuel Chang, que assinou as garantias soberanas sobre os empréstimos.

O processo no Tribunal Comercial de Londres, parte do Tribunal Superior [High Court], está previsto durar até Dezembro.

SUBSCREVA O.ECONÓMICO REPORT
Aceito que a minha informação pessoal seja transferida para MailChimp ( mais informação )
Subscreva O.Económico Report e fique a par do essencial e relevante sobre a dinâmica da economia e das empresas em Moçambique
Não gostamos de spam. O seu endereço de correio electrónico não será vendido ou partilhado com mais ninguém.

Comentários