fbpx

Zâmbia projecta central eléctrica a carvão orçada em US$ 400 milhões

0
72
  • A Maamba Collieries, de propriedade majoritária da Nava, sediada em Hyderabad, Índia, liderará o projeto.

O regulador de energia da Zâmbia [Energy Regulation Board] aprovou a construção da segunda central eléctrica a carvão do País, já que a pior seca em décadas reduziu a produção das barragens hidroléctricas que respondem pela maior parte do fornecimento de energia.

O Energy Regulation Board concedeu uma licença de construção para a instalação de 300 megawatts no sul do país, dobrando a capacidade de uma usina existente no local, disse em um comunicado na segunda-feira. A Maamba Collieries, de propriedade maioritária da Nava, sediada em Hyderabad, Índia, liderará o projeto.

A Zâmbia depende de centrais hidroeléctricas para gerar cerca de 85% de sua energia. A forte dependência frequentemente traz escassez severa quando os níveis de água caem durante as secas. A seca induzida pelo El-Nino — a pior em pelo menos quatro décadas — levou a cortes de energia contínuos com duração mínima de 12 horas diárias, forçando o Governo a reduzir sua previsão de crescimento económico para 2024 para 2,3%.

A Zâmbia assinou um acordo de implementação com a Maamba no final de Junho e a empresa está próximo do fecho financeiro do projecto, disse o Ministro de Energia Peter Kapala na televisão estatal em 30 de Junho. O fundo de pensão nacional da Zâmbia está a avaliar uma proposta para fornecer financiamento para parte do projecto estimado em US$ 400 milhões, disse a empresa em uma resposta por e-mail às perguntas em 14 de Junho.

O financiamento de novas fontes de energia a carvão tem se tornado cada vez mais difícil, pois muitos bancos, incluindo bancos estatais chineses, pararam de conceder empréstimos para projectos a base de combustível fóssil mais poluente.

 

SUBSCREVA O.ECONÓMICO REPORT
Aceito que a minha informação pessoal seja transferida para MailChimp ( mais informação )
Subscreva O.Económico Report e fique a par do essencial e relevante sobre a dinâmica da economia e das empresas em Moçambique
Não gostamos de spam. O seu endereço de correio electrónico não será vendido ou partilhado com mais ninguém.

Comentários